Blog

Central de monitoramento: saiba como montar projetos de sucesso
Segurança

Central de monitoramento: saiba como montar projetos de sucesso

Câmeras são objetos encontrados facilmente nas cidades, principalmente em grandes centros urbanos. Com altos índices de criminalidade, é natural que muitos proprietários optem pela vigilância contínua como forma de se protegerem.

O mais interessante é que é possível desenvolver uma central de monitoramento completa a partir de algumas câmeras e equipamentos básicos. Neste post, falaremos mais sobre o conceito, seus benefícios e os passos necessários para projetar um sistema desse tipo. Acompanhe conosco!

O que é uma central de monitoramento?

Em alguns comércios e até mesmo na porta de propriedades residenciais de médio e grande porte, é comum encontrar uma placa que diz “Você está sendo filmado”. O que o anúncio quer dizer, basicamente, é que os movimentos das pessoas que circulam ali estão sendo acompanhados por uma central de monitoramento.

Trata-se de um de modelo tradicional de vigilância, que vem sendo enriquecido com a transformação digital e o acesso a equipamentos mais robustos de segurança eletrônica. A central é a reunião de profissionais de vigilância em um ambiente propício para o seu trabalho, com a visualização de câmeras e acesso a controles de acesso diversos.

Primeiro, é importante esclarecer que nem toda propriedade monitorada conta com esse tipo de anúncio. Ele serve, principalmente, para desencorajar a ação de criminosos. 

A central pode ser composta por um ou mais profissionais, dependendo do projeto. Assim, ela pode funcionar até mesmo em uma sala simples, no qual o profissional encarregado tem acesso às câmeras do ambiente protegido. Quanto maior for a propriedade, maior será a chance de que ela tenha mais colaboradores acompanhando a movimentação ao redor do local.

Com a evolução das soluções digitais, é comum encontrar sistemas de portaria remota, nos quais a liberação de entrada em um local é feita por meio dos profissionais posicionados nessa central. Eles podem, também, entrar em contato com o morador de um condomínio e informar os dados do visitante, por exemplo.

Qual é a importância do monitoramento?

Como vimos, a central pode se adaptar ao tamanho, às necessidades do projeto e ao perfil do cliente. Isso envolve desde o acompanhamento de uma propriedade com uma única entrada até ambientes mais amplos, como grandes empresas.

Para ilustrar a importância desse monitoramento, um caso recente e interessante é o de Belo Horizonte. O carnaval da capital mineira cresceu de tal modo, que BH se tornou o segundo destino mais procurado pelos foliões, perdendo apenas para o eterno campeão, Rio de Janeiro.

Para prover toda a segurança necessária, o governo reuniu as polícias Civil e Militar, além de outros órgãos, em uma ampla central de monitoramento. Toda a operação passou a ser supervisionada em um ambiente integrado, com sede na chamada Cidade Administrativa.

Com esse exemplo, que mostra como a iniciativa vem sendo adotada em larga escala, fica mais fácil entender como a central de monitoramento é importante. Além dos eventos, ela é ótima para oferecer proteção patrimonial, por exemplo. Câmeras mais avançadas conseguem fornecer uma boa visualização mesmo em ambientes mais escuros.

Como funciona uma central de monitoramento?

Para sair do papel e deixar de ser um mero projeto, uma central precisa de alguns itens básicos, como câmeras, alarmes monitorados e nobreaks. A partir desse kit inicial, já é possível montar um esquema interessante de acompanhamento de imagens.

Tudo se inicia com a utilização de um sistema de circuito fechado de televisão, conhecido como CFTV. Ele é conectado diretamente à central de monitoramento, mantida por profissionais contratados e especialistas no acompanhamento de imagens.

Assim, as câmeras são posicionadas de forma estratégica na propriedade que será protegida, para captar os principais pontos de acesso do imóvel. Projetos mais robustos também contam com sensores de alarme no local segurado, operando em conjunto com os itens mais básicos.

Quando um alarme é efetivamente disparado, os profissionais com acesso à central de monitoramento de imagens conseguem chegar, de forma imediata, ao local de invasão e conferir a ameaça. Quando mais ágil for o acesso à propriedade, mais rápido será o contato com as autoridades.

Com uma central de monitoramento bem projetada, o cliente garante que a sua propriedade seja monitorada durante 24 horas por dia. As câmeras podem variar de acordo com o local de instalação — isso, porque existem diversos modelos, alguns mais discretos e que nem mesmo utilizam fiação visível, por exemplo.

Proprietários de empresas que contam com uma grande movimentação de pessoas podem se beneficiar dos equipamentos trazidos pela transformação digital. Assim, é possível conseguir opções cada vez mais discretas. Contudo, se a intenção do gestor é desencorajar invasores, é possível escolher uma estrutura mais aparente, que desestimule os mal-intencionados.

De qualquer modo, um projeto moderno e adequado às necessidades tanto de propriedades residenciais como de ambientes de negócio deve oferecer a transmissão e o acompanhamento de imagens e informações em tempo real.

Dessa maneira, com uma boa conexão à internet, já se torna possível acompanhar a propriedade de forma otimizada e remota. Assim, é possível monitorar a propriedade de forma mais fácil. 

Inclusive, a transformação digital causou algo interessante: a central de acompanhamento nem sempre é aquele clássico exemplo de uma sala cheia de monitores, com profissionais com os olhos colados à tela.

Com a possibilidade de acompanhamento remoto, o próprio cliente se torna capaz de monitorar as imagens e contatar as autoridades policiais caso seja necessário. Isso é especialmente interessante no caso de propriedades residenciais e pequenos comércios.

Em condomínios e lojas maiores, a central de monitoramento deve ser mais robusta. Afinal, acompanhar uma grande propriedade por meio do smartphone é inviável e pode até mesmo facilitar a ação de criminosos.

Assim, a opção mais interessante é contar com profissionais especializados no acompanhamento, que saberão distinguir indícios de atividade criminosa de forma mais segura.

Quais são as tecnologias empregadas?

Como vimos no tópico anterior, alguns equipamentos e soluções tecnológicas são básicos em uma central, como câmeras e nobreaks. Além de garantir que essas opções estejam presentes, é necessário ter certeza sobre a qualidade dos elementos utilizados.

As câmeras são as principais responsáveis por um bom funcionamento da central. Hoje, é possível conseguir opções cada vez mais inteligentes, que favoreçam práticas como a análise modernizada de vídeo. Agora, vamos conhecer mais sobre as tecnologias necessárias para montar uma boa estrutura.

Câmeras

Há um motivo pelo qual as centrais de monitoramento são sempre associadas a salas com muitos monitores e vigilância constante: são as câmeras que repassam todas as imagens para esse ambiente, propiciando o acompanhamento em tempo real.

Um profissional de segurança eletrônica deve tomar alguns cuidados na montagem dos seus sistemas. Encontrou câmeras de alto nível, com muitos recursos? Ótimo! Contudo, é necessário estudar a finalidade dos modelos em específico e projetar como eles serão utilizados dentro de um projeto de segurança.

Por exemplo: as câmeras serão alocadas em um ambiente interno ou externo? Para cobrir uma determinada área, será necessária a máxima capacidade de aplicar o zoom ou visão noturna? Essas questões devem nortear a atuação de um bom profissional, até mesmo explicando detalhadamente, para os seus clientes, as variações dentro de um sistema.

Gravador

O gravador é o equipamento responsável pela transmissão do material que está sendo registrado pelas câmeras. Existem diversos modelos, como DVR, HVR (um modelo híbrido entre aparelhos analógicos e digitais) e NVR.

É interessante notar que modelos mais modernos possibilitam aos usuários o monitoramento remoto da câmera. E nem é preciso ter um computador de mesa: essa tarefa pode ser realizada por dispositivos móveis, como tablets e smartphones.

Outro detalhe fundamental é que não basta ter o gravador e as câmeras para armazenar as imagens. Caso o usuário deseje guardá-las, é preciso adquirir um disco rígido interno, à parte.

Nobreak

O nobreak é outro componente essencial de um sistema de monitoramento. Isso, porque ele é muito importante para o funcionamento do CFTV, já que protege todo o projeto em casos de queda de energia elétrica.

Em dias chuvosos, por exemplo, quedas na rede elétrica são bastante comuns e podem danificar os aparelhos eletrônicos. Isso é especialmente perigoso quando falamos de um sistema inteiro de vigilância, que exige um investimento considerável.

Assim, o nobreak é um equipamento acionado para conter esses distúrbios na rede e oferecer energia elétrica aos aparelhos conectados. Dessa forma, o usuário consegue salvar arquivos importantes e desligar o sistema de forma segura.

Software de monitoramento

Softwares específicos de monitoramento, como o VMS, são ideais para monitorar e gerenciar os gravadores e câmeras IP, por exemplo, por meio de um computador de mesa ou um notebook.

O próprio VMS possibilita a visualização de até 32 câmeras ao mesmo tempo, com uma configuração intuitiva. Assim, o usuário passa a contar com o monitoramento em diversos equipamentos de forma simultânea, além de ter facilitados a busca e o backup de gravações.

Ainda, será possível configurar integralmente os gravadores e câmeras digitais, facilitando o compartilhamento de imagens em diversos monitores. O armazenamento também se torna mais fácil, com a opção de guardar os arquivos em um dispositivo, via internet.

Sensores de barreira

Os sensores de barreira não fazem parte de toda central de monitoramento, mas são equipamentos que podem dar um toque a mais de eficiência a um projeto de segurança. Eles são capazes de detectar movimentos e operam por meio da emissão de luz infravermelha.

Além disso, contam com um transmissor e um receptor de sinais de luz invisíveis a olho nu. Quando um invasor ultrapassa uma determinada linha, um alarme é acionado instantaneamente, e a central de monitoramento pode agir.

Eles são especialmente importantes em empresas e condomínios, já que oferecem uma vigilância mais discreta, em comparação a outros sistemas. Desse modo, se um invasor consegue burlar o sistema de vigilância inicial, o sensor funciona como uma segunda camada de defesa, não tão visível quanto as câmeras.

Por que vender projetos de central de monitoramento?

Como a central reúne inúmeros equipamentos e um planejamento cuidadoso para que a estrutura funcione, oferecer essa opção para os clientes é uma forma de se destacar em meio ao mercado de segurança eletrônica. Meros curiosos sobre o setor não conseguirão executar sistemas robustos.

Além de tudo o que mencionamos sobre a segurança contra possíveis invasões, uma central de monitoramento também pode ser utilizada para checar a segurança dos familiares em propriedades residenciais e monitorar as atividades dos colaboradores dentro de uma empresa, por exemplo.

A central também pode ser aplicada para que os usuários consigam acompanhar o fluxo de entrada e saída de carros e pessoas em uma propriedade, o que é especialmente interessante para empresas, edifícios e condomínios.

O monitoramento de imagens proporciona mais agilidade na tomada de decisão. Se um gestor desconfia do comportamento de uma pessoa que frequenta regularmente a sua loja, por exemplo, ele pode ver e rever as imagens quantas vezes quiser. Caso descubra que a pessoa está cometendo furtos, pode repassar as informações que comprovem o delito para a polícia.

Além disso, do ponto de vista do profissional de segurança eletrônica, oferecer projetos de monitoramento rende uma experiência valiosa: a oportunidade de se informar sobre as últimas tendências do setor. Como essa atividade exige estar sempre por dentro das novidades, seu currículo só tem a ganhar — o que facilita até mesmo a negociação com os clientes.

Quais são os passos para um projeto de sucesso?

Agora, é o momento de conhecer as principais etapas para estabelecer uma central de monitoramento de alto nível.

Preste atenção ao diagnóstico

É fundamental estudar cada caso de acordo com as particularidades da propriedade e as necessidades dos clientes. Não faz muito sentido, por exemplo, oferecer mais de uma dezena de câmeras para proteger um ambiente reduzido.

Assim, o profissional deve visitar o local para entender melhor o que deve ser implementado ali. Vender projetos engessados não é uma boa ideia, já que cada cliente é diferente dos outros, assim como as suas propriedades.

Ofereça tecnologia de ponta

Do que adianta oferecer um projeto aparentemente irretocável, mas complementá-lo com tecnologias precárias e ultrapassadas? Os equipamentos que o profissional utiliza em seus projetos influenciam diretamente o desempenho geral do sistema. Dessa forma, é preciso oferecer o que há de mais eficiente.

Caso você ainda seja um profissional que está dando os primeiros passos nesse mercado, uma boa ideia é procurar eventos e feiras específicas de segurança eletrônica. Além de conferir as novidades para deixar os seus projetos mais eficientes, será possível trabalhar no seu networking.

Conte com fornecedores de qualidade

Por falar em networking, a rede de contatos de um profissional do setor não deve ter apenas clientes em potencial. Para ter acesso a um acervo qualificado de soluções digitais, é fundamental contar com fornecedores de qualidade.

A fim de garantir que os fornecedores são de alto nível, é uma boa ideia perguntar pelas soluções que eles oferecem e pesquisar sobre as marcas na internet. “Essa empresa de monitoramento oferece uma ampla quantidade de produtos, englobando desde gravadores até controles de acesso avançado? Qual é a avaliação geral das mercadorias oferecidas pelos seus parceiros?”.

Buscar essas respostas é uma boa maneira de descobrir se o seu fornecedor preza pela qualidade dos produtos oferecidos. Não basta ser bom de conversa.

Considere a utilização de sensores e controles de acesso

Para garantir uma proteção mais completa, é uma boa ideia complementar o circuito fechado de câmeras com alguns controles de acesso, que contem com funcionalidades como a biometria e a portaria remota.

Um meio discreto e eficaz de controle de acesso tanto para residência como para ambientes comerciais, o controle por biometria é o reconhecimento de características pessoais específicas de cada visitante. Assim, essa verificação pode ser feita de diversas formas, de acordo com o usuário.

É possível realizar a identificação por meio das impressões digitais, comandos de voz, leituras de íris, entre outras opções. Do mesmo modo, a portaria remota surge como um complemento bastante moderno para os seus projetos, principalmente em condomínios e empresas.

Ela é totalmente operada a distância, oferecendo toda a comodidade do monitoramento remoto. O acompanhamento é feito por diversas câmeras, que enviam as imagens capturadas para um sistema central — e essa estrutura conta com um responsável para liberar o devido acesso aos diversos tipos de dispositivo.

Um diferencial é que os equipamentos utilizados, conectados diretamente à internet, são otimizados para que o acesso remoto não seja atrapalhado pela distância. Além disso, é possível encontrar sistemas que usam softwares inteligentes, desenvolvidos para direcionar o monitoramento da propriedade para locais mais estratégicos e atender às necessidades específicas do usuário.

O mais interessante é que os controles de acesso são uma maneira de não precisar manter o foco durante 24 horas nas câmeras de vigilância. Dessa forma, não será mais obrigatório checar o sistema de forma repetitiva, já que eles oferecem outra eficiente barreira contra invasores.

Seja transparente com o cliente

Ok, o cliente passa a ter uma central de monitoramento de respeito, com um ou mais profissionais zelando pela vigilância constante. Contudo, as informações repassadas não podem parar por aí, não é mesmo? Principalmente com as tecnologias atuais, que facilitam o acompanhamento remoto.

Assim, além de repassar todas as informações necessárias para o consumidor sobre o que foi implementado, é necessário orientá-lo sobre as particularidades do monitoramento remoto e as formas de proceder em tempo real. Com essas instruções, ele não será pego desprevenido quando flagrar uma tentativa de invasão, por não saber como alertar as autoridades, por exemplo.

Esteja atento às diversas possibilidades de monitoramento

A central de vigilância não é somente visual: outras formas de acompanhar as atividades no local têm se destacado no mercado de segurança eletrônica. É o caso, por exemplo, do monitoramento por áudio. Como o próprio nome sugere, ele consiste na aplicação de tecnologias de captação de som.

Isso entrega uma proteção constante e de alta qualidade sobre áudios captados em diversos ambientes, sendo especialmente importante pelo fato de que o mercado de câmeras de monitoramento sofre com uma deficiência específica — a ausência de um microfone de alta qualidade.

Além disso, temos, também, o modelo de monitoramento inteligente, que reúne diversas tecnologias em um mesmo ambiente. O objetivo é captar tanto a imagem como o som dos locais vigiados, enviando os dados para um software analítico.

A partir daí, o programa cruza informações para entender se há riscos gerais no ambiente. Com o avanço da tecnologia apropriada, o software consegue emitir alertas para a central, possibilitando o acompanhamento em tempo real.

Qual é a importância do suporte?

Central de monitoramento entregue. Câmeras testadas e funcionando perfeitamente. Gravadores e nobreaks em plena operação. É o fim de todo o processo? Nada mais longe da verdade.

Um dos aspectos mais interessantes da chamada transformação digital não é apenas a modernização dos equipamentos, incluindo, também, a necessidade de fornecer todo o suporte necessário para manter os clientes fidelizados e expandir as suas oportunidades.

Isso, porque o avanço da tecnologia tornou mais fácil para os consumidores encontrar novas opções de prestadores de serviços, caso o suporte de uma determinada empresa seja decepcionante. Basta uma pesquisa simples em um smartphone, e esse consumidor é exposto a seus concorrentes.

Assim, além de colher feedbacks pontuais, é importante oferecer todo o suporte para que o cliente consiga operar a sua central de monitoramento de forma segura e duradoura. Outra maneira importante de se manter em contato com os consumidores é oferecer consultoria especializada em segurança eletrônica.

Dessa forma, o profissional consegue até mesmo reparar centrais montadas por outros técnicos. Isso não significa desativar todo o serviço anterior, mas oferecer dicas pontuais para manter aquele sistema cada vez mais atualizado.

Não se esqueça do pós-venda!

Além disso, é importante manter um relacionamento próximo com o cliente após a concretização de uma venda. O profissional pode oferecer descontos e programas de fidelidade. Outra boa ideia é preparar newsletters de acordo com as inovações que chegam ao mercado.

Como técnico de segurança, deixe claro que a sua empresa está disponível para tirar dúvidas sobre todo o processo. Incentive os feedbacks, até mesmo como forma de melhorar a prestação de serviços.

Como pudemos ver no artigo, uma central de monitoramento moderna é uma maneira de garantir proteção de alto nível para a propriedade, com a utilização de tecnologias de ponta e vigilância avançada. Essa é uma solução digital indispensável, também, para o portfólio dos empreendedores da área de segurança eletrônica.

E aí, gostou do artigo e quer conhecer mais sobre os nossos produtos e serviços? Então, aproveite a visita e não hesite em entrar em contato conosco!

 

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *