Subscribe Now

Trending News

5 lições de startups: o que podemos aprender com elas?
Vendas

5 lições de startups: o que podemos aprender com elas?

Analisar as lições de startups significa aprender com um setor que já conta, no mercado brasileiro, com mais de 10 mil negócios abertos e em pleno funcionamento. Segundo um levantamento recentemente divulgado pela Abstartups (Associação Brasileira de Startups), existem 10.365 novas empresas desse tipo no país.

Outro dado que chama a atenção nesta mesma pesquisa refere-se ao crescimento da quantidade de cidades e regiões de destaque fora do eixo tradicional de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Para quem acompanha de perto o desenvolvimento do setor, é animador que novos centros estejam, cada vez mais, se mostrando capazes de reter os mais talentosos profissionais.

Pensando nisso, apresentamos, ao longo deste artigo, alguns elementos presentes nas startups que crescem a todo vapor e que podem ser aproveitados por você em benefício do seu próprio negócio. Boa leitura!

5 lições de startups

As metas exponenciais, o pensamento sem barreiras sustentadas em velhos conceitos e o mindset guiado por um forte senso de propósito criam formas de atingir crescimentos acelerados, sobretudo, em comparação aos métodos tradicionais do empreendedorismo.

As lições que compartilhamos, a seguir, traduzem-se em verdadeiras ferramentas para quaisquer organizações que queiram, de fato, crescer e atingir excelentes resultados. Confira:

1. Ambiente seguro e excelente para trabalhar

Embora as startups sejam ambiciosas quanto aos Indicadores de Performance (KPIs) e possuam objetivos e metas agressivas, todas entendem que, para obter resultados exponenciais, as pessoas são indispensáveis.

Sendo assim, essas empresas priorizam a criação de ambientes focados na autonomia dos colaboradores e trabalho em equipe. Com efeito, elas convertem os ambientes corporativos em locais divertidos e alegres para se trabalhar.

Tais espaços se preocupam com a interação, a integração e a comunicação dos membros de suas equipes. Essas iniciativas estimulam a sensação de pertencimento e o entusiasmo em se sentir parte da empresa.

Nesse sentido, as organizações já consolidadas devem se esforçar por remodelar ou mesmo criar um ambiente de trabalho mais empolgante e criativo. Desse modo, é possível engendrar uma nova cultura corporativa baseada em valores regidos pela criatividade, inovação, além de senso crítico e de equipe, a fim de que todos se sintam confortáveis em trazer novas ideias.

Não há, na atualidade, espaço para culturas organizacionais lastreadas em regras ultrapassadas e/ou antiquadas. A geração conhecida como “millennial” (que engloba as pessoas que nasceram de 1977 a 2000) é composto por profissionais idealistas, com alto poder de compra, atraídos pelas inovações, conhecedores das tecnologias, otimistas e, principalmente, hiperconectados.

É imprescindível entender esses profissionais, oferecendo a assistência necessária para que eles possam desenvolver uma elevada autoestima e, assim, promover inovações dentro da sua empresa.

2. Foco em marketing, conversão e vendas

Uma das maiores preocupações das startups consiste em manter o foco em marketing, conversão e vendas, para não mencionar a atenção dada à construção de suas imagens. Isso é uma necessidade absoluta e não apenas em relação aos potenciais clientes. A manutenção, em longo prazo, desse foco, facilita a retenção de talentos, eleva os níveis de satisfação dos fornecedores e estimula a realização de parcerias estratégicas.

No marketing, por exemplo, essas empresas transcendem às chamadas “métricas de vaidade”. Afinal, todos investimentos devem proporcionar bons retornos e contribuir para fidelizar os clientes. Quando um deles não permite uma clara identificação do ROI (sigla inglesa para Retorno sobre o Investimento, em tradução livre), é rapidamente alterado para produzir os resultados esperados.

Outro elemento distintivo das startups refere-se à sua capacidade de trabalhar bem com os dados, a partir da compreensão de que a assertividade das ações depende, em grande medida, de compreender como atingir as metas com o auxílio de indicadores mensuráveis.

3. Atenção aos detalhes

Para aprimorarem os seus produtos, as startups solicitam, recebem e atuam intensivamente com os constantes feedbacks de seus clientes, prestando atenção aos mínimos detalhes presentes em suas intervenções. Isso cria uma incomparável velocidade na otimização de serviços e/ou produtos, aumentando, consequentemente, o mercado.

As ferramentas avaliativas utilizadas são, também, bastante simples, gerando uma grande quantidade de interações. Ente elas, destaca-se o Net Promoter Score (NPS) onde se questiona, em uma escala de 0 a 10, as probabilidades de recomendações da empresa. Vale mencionar que surge, via de regra, a partir dessas interações, novos fluxos de receitas e produtos disponibilizados pela empresa, como tem sido observado, por exemplo, no mercado de segurança eletrônica.

4. Estímulo à criatividade

Criar novidades é algo complexo. Fica mais difícil quando você não possui repertório e não acompanha as atualizações tecnológicas. Para ter sucesso, a organização deve se manter sempre à frente da informação.

Leve em consideração que a sua equipe certamente possui excelentes ideias para fomentar o crescimento, sendo necessário implementar a escuta ativa, sob pena de perder a oportunidade de aproveitá-las adequadamente.

Uma das mais valiosas lições de startups pode ser encontrada no fato de que elas aproveitam, até mesmo, as ideias ruins, gerando, por um lado, um repertório do que “não deve ser feito” e, por outro, insights melhores e bem delineados.

Para que a criatividade seja realmente estimulada, cada colaborador deve ter confiança no trabalho realizado por seus colegas e, também, por si mesmo. Desse modo, os relacionamentos profissionais fluem com mais naturalidade e, à medida que todos se ajudam, as chances de erro podem ser reduzidas significativamente.

Tenha em mente que as grandes conquistas são possibilitadas por tentativas e erros. As maiores e melhores organizações estão sempre dispostas a corrigir eventuais problemas em tempo hábil. O estímulo à criatividade passa, também, por manter o foco para encontrar aquilo que possa prejudicar o seu negócio.

5. Ruptura das hierarquias

Nas culturas corporativas convencionais, é bastante comum existir os cargos de execução, de gerência e de chefia. Todavia, o trabalho horizontal, ou seja, entre profissionais que se relacionam de igual para igual, tem sido um dos mais importantes diferenciais competitivos das startups.

Ao não estipular hierarquias definidas, você impactará positivamente os membros da sua equipe. Lembre-se de que eliminar nomenclaturas tradicionais tem se mostrado uma estratégia eficaz para unir as equipes, conferindo o mesmo peso aos seus integrantes.

Cumpre ressaltar, por fim, que essas lições de startups, a despeito de sua aparente simplicidade, são os principais motivos para o crescimento acelerado das startups. Tais aspectos alteram completamente a mentalidade dos gestores, destruindo antigas barreiras em prol do oferecimento de produtos e serviços de excelência e ótimos resultados de negócio.

Gostou do artigo? Então, compartilhe este post nas redes sociais e mostre aos seus amigos como a experiência acumulada das startups podem ser aproveitadas para alavancar os resultados de todos os tipos de empresas!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *